quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Pirita

(Foto: André L. Soares)
.
.
.
PIRITA
(André L. Soares)
.
Tolos.
Dez mil anos
e ainda somos
tolos.
Metais e pedras
são nossos
tesouros.
Matamos tudo
que há de mais
precioso.
Meros carrascos
em peles de
lobos.
A qualquer coisa
respondemos com
fogo;...
e não sabemos
ter paz.
.
.
.






.
Leia também:
Gritos Verticais / O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

quarta-feira, 2 de março de 2011

Dilema


(Foto: André L. Soares)
.
.

.
DILEMA
(André L. Soares)
.
Dilema de mulher
é servir Tróia e ser Helena;
voz macia, alma serena
e muita fome de viver.
.
Mulher nasce poema:...
sonhos grandes, mãos pequenas,
sem limites para o amor.
.
Sedutora,...
três raios de sol-e-chuva,
dez marés em sete luas,
cem leões em meio à arena,...
todos eles a seus pés!
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Loucura


(Foto: André L. Soares)
.
.
.
LOUCURA
(André L. Soares)
.
Se o preço da sensatez
é o eterno questionamento
da dúvida que não cala
a cansativa fissura,...
quero esquecer as perguntas,
desejo ser mudo e surdo,
vou jogar fora o encéfalo
e me render à loucura.
.
.
.
.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

A Relatividade da Verve


(Foto: André L. Soares)
.
.
.
A RELATIVIDADE DA VERVE
(André L. Soares)
.
Choram os mares abertos
por onde lançam-se os barcos,
em portos de ‘adeus’,... abscessos,...
à espera do doce regresso,
saudade incontida em gestos,
(mosaicos que dou a você)...
por toda pureza que abraço
nos beijos de janeiro a março.
.
Sofre meu pulsar disperso
nas mãos que aqueço em afago,...
são cacos de vidro e pregos
da distância que faz estragos.
No entanto, o longe está perto,
no mais eu pago pra ver,...
se há mesmo esse caminho errado
nos sonhos que seguem atalhos.
.
Imensa, a dor desses versos
que o poeta risca ao acaso,
louco, a vagar entre prédios,
catando lampejos e restos
da verve entregue ao passado
(embora nem saiba o porquê)...
dos astros que queimam,... eternos
nas curvas do tempo e do espaço.
.
.
.

.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Milagre Campestre


(Foto: André L. Soares)
.
.
.
MILAGRE CAMPESTRE
(André L. Soares)
.
Havia pessoas numa roça,
morando em casas de taipa,
tirando sustendo da enxada,
rostos repletos de marcas,
ganhando menos que pouco.
.
A lida lhes trouxe sufoco.
Privações, doenças, calos,
dor, exploração, descaso,
carência e esquecimento...
eram os prêmios do caboclo.
.
No entanto, a Natureza,
dócil, sábia, generosa,...
testemunhando o tormento
dos que labutavam ao sol
– fiéis relutantes heróis –
enviou,...
aos galhos do pé-de-rosa,
na hora da Ave-Maria,
a sublime sinfonia
da orquestra de rouxinóis,...
.
...e foi perfeita a paz por todo o vergel,
que logo o fruto farto floresceu;...
...e foi tão linda a festa sob o céu,
que riram e choraram:... homem e Deus.
.
.
.

.
Leia também:
Gritos Verticais /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos

terça-feira, 14 de julho de 2009

Livre


(Foto: André L. Soares)
.
.
.
LIVRE
(André L. Soares)
.
Como o líder,... que comanda sem ser amo.
Como o perfume,... que invade sem ser bárbaro.
Como o pássaro,... que vai embora no outono.
Como o posseiro,... que faz bom uso sem ser dono.
.
.
.

.
Leia também:
Alma de Poesia /Gritos Verticais /Natureza Poética /O Poema de Cada Dia /Poética Herética /Raiz de Cem /Sons de Sonetos